quinta-feira, 25 de novembro de 2010

POEMAS DE EUGÉNIO LISBOA SOBRE GIGANTES DA FÍSICA

O engenheiro, professor e ensaísta Eugénio Lisboa, que nos dá a honra de colaborar neste blogue, é também poeta. Ele é o autor de um curioso livro de poesia sobre notáveis cientistas: "O Ilimitável Oceano" (Quasi, 2001). Escolhi três poemas sobre três "gigantes" a cujos ombros Newton subiu e um quarto sobre esse outro "gigante" que foi o próprio Newton.

COPÉRNICO

O céu que viste era o céu
de Ptolomeu. Mas diferente
foi a forma de o olhar.
No modo de julgar, teu,
a Terra, astro movente,
demitiu-se de pensar
que era o centro do mundo:
assim ver, que abalo fundo!

GALILEU

As leis do movimento perscrutaste
com paciência e cândido olhar.
Com o mesmo olhar o vasto céu sondaste
humilde mas altivo no ousar.

KEPLER

O mundo próximo, à volta, apodrece.
Fome, mortal conflito e pestilência
turvam o dia mal amanhece.
Segura-se à pureza da ciência:
o curso aparente das estrelas,
seguindo matemática divina,
deriva, das rigorosas tabelas
do vasto cosmo, a curva sibilina.

NEWTON

Da qualidade oculta de tudo,
não cuido, nem sei. Não é de ofício
sério sabê-lo: o tudo é mudo
e forçar-lhe a fala é sério vício.
Dos fenómenos, deduzo leis
de movimento e destas derivo
qualidades e acções: vereis
que o saber, assim, avança, altivo.

Eugénio Lisboa

1 comentário:

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.