terça-feira, 30 de novembro de 2010

GRANDES ERROS: O HOMEM QUE NÃO BEBE NEM COME HÁ 7O ANOS


Com a devida vénia reproduzimos do blogue Astro.pt a parte final do artigo de Carlos Oliveira sobre o estranho caso do homem que não bebe nem come há 70 anos (alegadamente, claro):

Prahlad Jani é o homem que, ao que se diz, não bebe nem come há 70 anos. Basta fazer uma pesquisa no Google, para perceber que existem 259.000 páginas que falam sobre isto. Por todo o mundo, as agências noticiosas falaram dele. O jornalismo sensacionalista, sem qualquer ponta de sentido crítico, sem qualquer pesquisa decente, tem neste tipo de histórias o seu êxtase. O jornalismo sério, e os jornalistas sérios, deveriam “cruxificar” quem não quer saber de informar devidamente as pessoas. FOXnews, ABC, Telegraph, BBC, CNN, e centenas de outros jornais e TVs por todo o mundo (como podem ver na net) difundiram esta história como sendo verdadeira. As pessoas, sedentas por mistérios e crentes em parvoíces, não querem saber das explicações racionais.

E, no entanto, a constituição do Sol, por exemplo, é que deveria ser mistério, esses sim, que deveriam providenciar uma “mística” às pessoas, que poderão saber mais sobre esse tipo de assuntos “misteriosos”. A ciência nunca foi aborrecida ou desinteressante. Mas não, as pessoas (jornalistas incluídos) preferem acreditar em mentiras. E os jornalistas portugueses e brasileiros também “foram na cantiga”: Globo, Folha, Diário de Notícias, ionline, TVI, etc. Até sites de ciência como o Ciência Hoje, preferiram “vender o mistério”, em vez de fazerem uma análise científica! É a noção que se deve “deixar o mistério no ar”, aproveitar-se disso porque “vende mais”, do que se pesquisar as respostas.

A história é simples: Prahlad Jani tem 81 anos, e diz que há 70 anos utiliza o Sol como alimento – o elixir da Deusa. Supostamente foi observado por cientistas durante 15 dias, e os cientistas concluíram que era verdade que ele nem come nem bebe nada. Supostamente aos 11 anos, diz ele, foi abençoado pela deusa Amba Mata, que lhe fez um buraco no palato, através do qual diz receber uma substância proveniente do Sol que se transforma em nutriente. Como as pessoas só sobrevivem, no limite, cerca de 10 dias sem água e 40 sem comida, então deve ser um milagre! Supostamente o caso despertou "de imediato" a atenção dos cientistas, que puderam comprovar que ele recebe energia do Sol, e o Ministério da Defesa até estaria interessado em utilizar esta técnica nos seus soldados.

Em face destas informações, como não temos todas as respostas, então o que devemos fazer? Devemos utilizar o pensamento crítico? Devemos utilizar a análise racional? Os jornalistas que difundiram estas mentiras e os crentes que por elas são levadas, já fizeram a sua escolha: escolheram ignorar o pensamento crítico.

Nos exemplos acima, estes jornalistas e estes crentes, em face de algo em que não têm as respostas todas, em vez de pesquisarem melhor com um olhar crítico, preferem acreditar que é o Diabo a colocar as manchas vermelhas no corpo, preferem acreditar que um Neandertal fez uma viagem no tempo, preferem acreditar e difundir que unicórnios invisíveis voadores fizeram parar um carro, etc. Se a notícia fosse que um homem consegue voar, estes jornalistas e os crentes que os seguem, suporiam que toda a ciência, sobretudo a lei da gravidade, está errada, e que há pessoas que voam livremente. Vendem o mistério, em vez de informarem devidamente sobre o que se passa.

Mas vamos nós utilizar o pensamento crítico. De um lado, o lado da crença, temos:

- um homem diz que se alimenta do Sol.
- um homem diz que consegue fazer a fotossíntese, como as plantas.
- segundo ele, foi uma deusa que lhe concedeu esse dom.
- a deusa só aparece a alguns, mas não às pessoas que verdadeiramente andam famintas. Ou seja, é uma deusa imoral.
- acreditar que ele realiza a fotossíntese é supor que a ciência está fundamentalmente toda errada, sobretudo a física, a biologia e a medicina (ou seja, os médicos nos hospitais são todos aldrabões que não percebem nada).
- a medicina é uma treta, e toda a investigação biomédica está errada.
- os orientais têm conhecimentos antigos que são muito superiores aos conhecimentos ocidentais actuais – até têm pessoas que não comem nem bebem e outras que vivem para sempre.
- milhões de pessoas que morrem de fome todos os anos, afinal basta-lhes fazerem um furo no palato e colocarem-se ao Sol.
- 7 biliões de pessoas por todo o mundo (e ainda mais todos os animais) andam iludidas, porque pensam que precisam de comer e beber para sobreviver, quando afinal basta porem-se ao Sol, a meditar, e com um furo no palato.

Do outro lado, o lado do pensamento crítico, temos:
- há milhares destas fraudes desmascaradas todos os anos, pelo mundo. Sobretudo em sociedades a oriente. Na Índia são constantes. Todos são fraudes, charlatães, mágicos com truques simples.
- ele é conhecido na vila dele por ser o “fraudulento da vila”. Ou seja, os seus próprios vizinhos sabem que ele está a mentir!
- animais com fotossíntese, sem clorofila, e não verdes (o homem não é verde!), são impossíveis para a biologia.
- é uma notícia dada originalmente pelo jornal The Australian, que, quando contactado, disse que não tinha fontes. Limitou-se a dizer: “Pode ser verdade, não?” Ou seja, inventam-se mentiras, para “vender um mistério” que é falso.
- a notícia é a mesma de há sete anos atrás. Ou seja, quando dizem que o interesse actual foi "imediato" estão a mentir, claro. Já existem artigos sobre isto há vários anos.
- as notícias são contraditórias sobre se ele saiu para fora completamente durante a experiência ou não.
- durante alguns minutos durante a experiência, ele não era vigiado pelas câmaras (saía do sítio onde elas estavam).
- ele podia tomar banho e gorgorejar com água. Não era vigiado quando tomava banho. Ou seja, os testes tiveram vários “buracos”.
- ele até podia receber crentes devotos – se nos hospitais, as pessoas levam comida para os seus familiares doentes, porque não crentes levarem comida para o seu “santo”?
- não há quaisquer dados experimentais sobre o que se passou em revistas científicas da especialidade (ou noutro lado qualquer!) – só há da experiência de 2003 onde se prova haver matéria fecal (ao contrário do que reivindicam).
- não há qualquer confirmação independente para os resultados que ele diz que teve.
- o “cientista” envolvido, Dr. Sudhir Shah, não deixou que mais ninguém, independente, pudesse avaliar a experiência ou os supostos resultados.
- já em 2003 – a tal notícia igualzinha de há sete anos – tinha feito uma experiência semelhante ao Prahlad Jani, e também não deixou que ninguém confirmasse o que ele dizia, provando que não está a fazer ciência (porque não permita confirmações independentes).
- em 2000 e 2001, testou outro “guru”, Hira Ratan Manek, confirmando também que ele se alimentava só do Sol, mas também não deixou que ninguém confirmasse isso.
- o médico neurologista, Dr. Sudhir Shah, é conhecido por ser crente na teoria que os humanos podem viver só da luz do Sol.
- o Dr. Shah é um crente religioso que acredita que a medicina ocidental está errada, e que a super-ciência da religião do jainismo, é que vai salvar toda a humanidade. Para ele, existem 30 graus de Paraíso e 7 graus de Inferno, e o Universo tem o formato de um homem em pé. Ou seja, ele não é imparcial nas experiências que faz – ele visa somente promover a sua religião, dando-lhe uma aura falsamente científica, como faz o Criacionismo.
- um sumário da sua pesquisa diz que faquires e sábios realizam fotossíntese através dos olhos (retinas) e através do “terceiro olho”. Isto é pura pseudociência!
- o “cientista” e os jornalistas dizem que a investigação dele está a ser estudada pela NASA e pela Universidade da Pensilvânia. Ambas negam este absurdo! Ou seja, inventa-se/mente-se sobre relações com instituições científicas para dar credibilidade à idiotice.
- tanto os praticantes como o “cientista”, acreditam no Breatharianism (Respiratorianismo), em que é possível, por influência divina, viver somente da luz solar. Todos os que afirmaram isto, e se sujeitaram a testes da ciência (de verdadeiros cientistas), foram todos provados como fraudes.
- já no passado, alegações feitas por este grupo foram provadas como sendo puras mentiras.
- no entanto, eles continuam a disseminar as suas mentiras. Um curso dado por eles, custa cerca de 250 euros! O “professor” desse curso diz que não come nada, até ter sido apanhado a comprar comida de uma loja… mas continua a vender os cursos! E também têm livros – a autora tem montes de livros do mesmo género e até fundou a Academia da Internet Cósmica. A autora não diz que não come (ela come e bebe!), mas diz nos livros que é possível não comer nem beber nada e sobreviver. A australiana Verity Lynn acreditou nisso, e morreu por desidratação.
- eles até oferecem férias no Resort Hotel Oásis de Saúde, na Tailândia. Por 1600 euros, os crentes têm direito a tudo durante 10 dias. O que neste caso inclui todo o ar, e toda a luz solar que puderem comer! E eles asseguram que a pessoa vai conseguir perder peso! O Hotel é conhecido por isso – pelos programas de perda de peso! Ou seja, para explicar de outra forma: há pessoas que são levadas a pagar 1600 euros para viver de “ar e vento” e ainda se admiram por emagrecerem!
- Outros, como a Amém Paraíso (é o “nome artístico” dela) misturaram isto com o Cristianismo, e como Jesus disse: “Se você acreditar em mim, você nunca terá sede”, então ela e os seus seguidores bebem urina.

Então qual das hipóteses devemos escolher? O que diz o senso comum? O que diz o pensamento crítico? Parece-me que só uma pessoa que acredita no Pai Natal se pode deixar levar por estas mentiras. Parece-me também que o grande problema aqui não são só os cidadãos normais, mas sobretudo os jornalistas dos média que empolam estas situações e disseminam mentiras sem terem o cuidado de pesquisar a verdade. Nem sequer têm o cuidado de usar o pensamento crítico.

Carl Sagan dizia: “Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias.” Sagan também disse: “Se sucumbirmos à superstição e à estupidez, iremos caminhar para as trevas.” E deu-nos um kit para apanharmos os impostores e os burlões. Basta seguirmos essa fórmula, assente no pensamento crítico, que é fácil perceber o que e quem é uma fraude. O contrário, a crença nos pseudos, nos burlões, e deixar essas fraudes fazerem o que querem dá sempre maus resultados.

A ciência e o pensamento crítico funcionam! Os pseudos sempre foram uma mentira.

Carlos Oliveira

19 comentários:

  1. Penso que o seu modo de abordar a notícia é pouco adequado, seria mais interessante se concluisse que faz parte da desinformação que está grassando mais e mais no mundo. Uma lavagem ao cérebro, por assim dizer, ridicularizando a ciência e os factos que existem e são deste modo desconsiderados.

    ResponderEliminar
  2. Mais um exemplo do péssimo jornalismo actual.

    ResponderEliminar
  3. Mau artigo: confuso, desconexo e misturando de forma atabalhoada assuntos diferentes, tanto no âmbito científico como no das crenças religiosas, que deveriam ser melhor destrinçados.

    Quanto ao tema em si, não é preciso ir à Índia ou Oriente para investigar casos de pessoas que sobrevivem praticamente sem ingerir alimentos sólidos.

    Muitíssimo mais importante ainda, em ciência a mentira de hoje também é a verdade de amanhã, toda a história do pensamento humano nos demonstra isso e não há dogmas fixos imutáveis, como aqueles pseudo-iluminados que tudo pensam estar descoberto nos querem fazer crer.

    Por exemplo, já que se fala do Sol, qual é a verdadeira composição do astro-rei e de que modo é produzida a imensurável energia que este liberta? Estará certa a actual teoria que a atribui à fusão do hidrogénio - considerado o elemento preponderante mais o hélio e o carbono - no seu interior, ou afinal a sua composição não é muito diferente da dos planetas e meteoritos no nosso sistema solar, sendo o ferro, níquel e oxigénio os elementos mais abundantes nessa estrela?

    Why the Model of a Hydrogen-filled Sun is Obsolete

    ResponderEliminar
  4. Caro Carlos,
    obrigado por um artigo interessante e bem intencionado.Como cientista amante da natureza e dos seus mistérios louvo a tentativa de desmistificar este género de aldrabices alimentadas por mau jornalismo. No entanto acho que a Ciência está em desvantagem neste tipo de situações: ao invés de um estudo controlado, temos alguém a controlar o estudo e acaba por não se poder tirar conclusões. Ficamos assim à espera de um verdadeiro estudo que prove a falsidade das pretensas expostas. O problema é que enquanto não tivermos esse estudo, a batalha nunca é ganha: só vamos alimentar a animosidade daqueles que procuram desesperadamente este lado pretensamente misterioso e "inexplicável" das coisas. Por isso é que eu evito entrar em força neste tipo de debates. Acho que este era um caso para ser estudado por James Randi, o famoso desmistificador de charlatães (note-se que nem ele conseguiu desmistificar completamente Uri Geller!). Estudar e desmistificar estes casos de uma forma que não seja lesante para a própria imagem da ciência e dos cientistas não é fácil. É que há muitos pessoas sedentas de misticismo, mistério e sobrenatural. Estas pessoas não perdoam que lhes roubem esses sonhos, havendo a necessidade de expor sem sombra de dúvida a fraude destas situações. Quando confrontadas com uma realidade inquestionável, são os seguidores os primeiros a derrubar os falso ídolos...
    Por outro lado, mentiras como a pretensa colaboração com a NASA etc..., são erros factuais e imperdoáveis num profissional de jornalismo.

    PM

    ResponderEliminar
  5. Não se pode deixar de responder ao Leprechaun, o qual parece também confundir duas coisas:
    1) aquilo que é a verdade em ciência
    2) a forma como se procura a verdade em ciência
    Sem dúvida que relativa ao 1) concordo com o Leprechaun - de facto os nossos modelos da realidade são verdadeiras até serem provados falsos. A arrogância de pretender tudo saber não fica bem a um cientista, mas não creio que fosse esse o tom do Carlos - de resto ele foi o primeiro a notar que há muitos mistérios em torno da composição do Sol.
    O problema está no ponto 2) - a forma de procurar a verdade em Ciêncioa é que é totalmente diferente da dos bandos de charlatães que vivem à custa da credulidade dos incautos. E estes charlatães são frequentemente protegidos por pseudo-cientistas que tentam revestir de verdade científica algo que não o é. Isto nada tem que ver com as crenças religiosas de cada um, pois estas situam-se num plano fundamentalmente diferente - o plano da fé. É quando se começa a pretender justificar "cientificamente" determinados pseudo-fenómenos que o problema começa. Apesar de cientista, estou perfeitamente preparado (pelo menos acho que estou) para presenciar um fenómeno inexplicável. Mas o problema é que parece difícil presenciar tais fenómenos - por exemplo James Randi oferece 1 milhão de dólares a quem lhe mostrar um e parece que ninguém ainda conseguiu tal façanha. Aquilo que gostaríamos era de um justo científico honesto e neutro, que mostrasse a verdade por detrás destas afirmações. Se for possível fazer fotossíntese por um buraco no palato, tanto melhor. Mas por favor publiquem isso na Science... :-)

    ResponderEliminar
  6. Apesar de todas as críticas, gostaria de dar os meus parabéns aos autores do blogue, é uma golfada de ar fresco pensante. Obrigado pelo estímulo aos leitores!

    ResponderEliminar
  7. Antes de mais, gostaria de agradecer ao professor Carlos Fiolhais, a divulgação do meu artigo.
    Eu espero que leiam *todo* o artigo, porque me parece (e posso estar enganado) que o 1º e o 4º comentários se fizeram só a partir deste resumo do professor Carlos Fiolhais, e não do texto todo.
    http://astropt.org/blog/2010/11/29/prahlad-jani-o-homem-que-nao-come-nem-bebe-ha-70-anos/

    Paulo M.,
    Penso que tem 4 erros de raciocínio (de resto, concordo com a maioria do seu comentário):
    - o ónus da prova está do lado de quem faz afirmações extraordinárias (isto é algo que também não é compreendido pelo "O.Braga" que fez link para este post). Ou seja, não são os cientistas que têm que andar a desmistificar os milhões de ideias absurdas que toda a gente tem pelo mundo. Quem tem essas ideias é que tem que provar que elas têm "pernas para andar".
    - o James Randi já desmistificou este charlatão. Está o vídeo no meu artigo.
    - o Uri Geller está mais do que provado a mentira das suas "magias". Não faltam vídeos no YouTube de outros que fazem o mesmo (eu próprio faço o mesmo!) e outros vídeos de ele "na hora" não conseguir fazer o que diz, já que é "apanhado de surpresa" em entrevistas, sem as suas famosas colheres.
    - por não se poder ir lá e vermos por nós, é que utilizamos o pensamento crítico. É para isso que ele serve, e não para quando se tem 100% de certeza da resposta (seja positiva ou negativa). Quando se tem certezas, não há necessidade do sentido crítico, porque já se sabe a resposta. Quando não se tem certezas e poderá existir desinformação (algo mencionado no 1º comentário), é aí que o pensamento crítico é verdadeiramente vital - esta é mais uma informação essencial que não é compreendida pelo "O. Braga" que vê no pensamento crítico um sinal de dogma (penso que o problema de ver o pensamento crítico como dogma neste caso é fruto de estar obcecado com uma ideologia, o que não lhe permite ter clareza de pensamento - um erro também muito comum em quem "critica a ciência", como se vê pelos extremistas religiosos de direita aqui nos EUA). O pensamento crítico está perfeitamente explicado no post completo, e parece-me muito simples de entender.

    ResponderEliminar
  8. Peço desculpa por ter que dividir o comentário, mas não o estava a conseguir enviar na totalidade.

    Continuação:

    Quanto ao comentário do Rui Vaz, considero que tem um crítica pertinente e também tem graves falhas a nível do saber.
    - A primeira crítica é ajustada: o meu texto tem realmente temas iniciais que poderia perfeitamente não ter, sem com isso perder o tema central. Provavelmente, sem esses temas, o tema central seria mais claro e directo.
    No entanto, pelo texto na sua globalidade, penso que é notório que eu tentei englobar estes problemas das fraudes num conjunto global de concepções erradas que as pessoas têm da ciência. Ou seja, o problema são as "misconceptions" (que existem inclusivé nos jornalistas). E essas levam a que se acredite em charlatães.
    - A frase "em ciência a mentira de hoje também é a verdade de amanhã" é uma das misconceptions mais "famosas", em que se denota que a pessoa não faz ideia de qual o processo da ciência, mas simplesmente é levada pelo que "se diz por aí".
    - Quanto ao Sol, nem sei que lhe diga... àparte existirem posts sobre isso no blog. Se é certo que existe a teoria do "iron Sun", também é certo que um conhecimento histórico de como a composição do Sol foi compreendida (o livro do Rhodes sobre a bomba atómica é essencial), juntamente com o conhecimento de outras teorias que existem na "fringe" de todas as ideias científicas (repito, de todas) permite dissipar quaisquer dúvidas. Mas parece-me um "comentário para o ar" de alguém que leu qualquer coisa na net sobre o assunto, sem procurar saber mais. Um erro cada vez mais frequente nesta era digital (curiosamente, é o mesmo tipo de erro que levou os jornalistas a acreditar no "guru indiano" e a disseminar mentiras pelos jornais e pela TV, e curiosamente, foi o mesmo tipo de erro que me levou a escrever o artigo supra-citado, já que recebi um comentário no blog de alguém que também tinha lido bastante na net sobre o guru ser um "milagre"... e acreditou!) .

    abraços a todos!

    Carlos Oliveira

    ResponderEliminar
  9. Quanto ao 2º comentário do Paulo M., concordo na totalidade.
    Deixe-me só complementar com 3 informações:
    - existem várias outras dezenas de exemplos no astroPT destes pseudos a enganarem as pessoas, a usarem o "nome da ciência" para aldrabarem as pessoas.
    - quem acredita nestes pseudos, em todos os casos tem um problema de pensamento crítico deficitário, muitas vezes é por não terem conhecimento sobre o assunto, e várias vezes é por motivos de ideologia (porque tem algo pessoal contra a ciência e os cientistas, porque é fanático por religião, porque é fanático por "colocar tudo em causa" sem ver que não coloca essa sua ideologia em causa, etc).
    - "Se for possível fazer fotossíntese por um buraco no palato, tanto melhor". Obviamente que para a ciência, um novo conhecimento que ponha em causa os paradigmas existentes é sempre uma lufada de ar fresco e bem recebida. Mas neste caso, deitaria toda a física, biologia, e medicina abaixo. Não me parece que as pessoas que afirmam que um humano consegue fazer fotossíntese (as que acreditam no guru) percebam muito de biologia, e muito menos de medicina. É que basicamente estão a dizer que todos os médicos (todo o conhecimento médico) são aldrabões. Estas implicações é que são importantes que se percebam. E também é importante perceber que pelos vistos só se consegue fazer fotossíntese SE uma deusa intervir (a mesma deusa que não intervém em milhares (milhões?) de pessoas que morrem de fome todos os anos) - ou seja, não passa de uma crença religiosa.

    abraço!
    Carlos

    ResponderEliminar
  10. Façam-nos a todos um favor e esqueçam as palermices do leprechaun. É habitual aparecer a defender as maiores patranhas que surgem. É daquelas pessoas que acreditam patologicamente em tudo o que a ciência diz ser impossível. Um dia estarão certas relativamente a algum assunto (até um relógio parado...), mas até lá só fazem barulho.

    ResponderEliminar
  11. "Se for possível fazer fotossíntese por um buraco no palato, tanto melhor". Obviamente que para a ciência, um novo conhecimento que ponha em causa os paradigmas existentes é sempre uma lufada de ar fresco e bem recebida. Mas neste caso, deitaria toda a física, biologia, e medicina abaixo.

    O principio de equivalencia faz parte da Fisica. Se deitaria toda a Fisica abaixo tambem deitaria este principio.

    Gostaria que explicasse entao como e que o facto de este senhor fazer a fotosintese por um buraco no palato deita abaixo o principio de equivalencia.

    Fico a espera.

    Cordialmente.

    Pedro Ribeiro

    ResponderEliminar
  12. Não consigo compreender
    como no género humano
    a deusa quis escolher
    somente aquele indiano!

    JCN

    ResponderEliminar
  13. Pedro Ribeiro,

    Se as pessoas começarem a voar livremente na rua... se uma pessoa fôr a andar normalmente e começar a voar sem razão... e vai pela atmosfera e depois até pelo espaço e passa a voar normalmente, independentemente da massa de objectos próximos... outra pessoa fizer o mesmo... outra o mesmo... e assim sucessivamente... deitando completamente abaixo os alicerces de tudo o que sabemos sobre gravidade (com a Física e a Astrofísica relacionada)... penso que dizer que cai por terra tudo o que sabemos sobre esses assuntos não será um exagero, porque na realidade alguns alicerces desse "edifício" que o servem para sustentar, obviamente caem por terra.

    No entanto, como o Pedro Ribeiro até é uma pessoa inteligente, tenho a certeza que mesmo que as pessoas comecem a voar indiscriminadamente, vai conseguir encontrar uma lei física que não seja deitada abaixo (até pode machucar, mas não cai).
    Isso não afecta que todo o edifício caiu com tão grande "abanão/colisão".

    Curiosamente, quando digo isso no meu artigo, ponho um link para a parte da "Física" (como aliás tenho dezenas de outros links por todo o artigo). Ou seja, quem quiser saber mais sobre essa parte, pode ir lá ler, e perceber porque referi isso.
    Mas lá está, vejo que só 9 pessoas que leram isto no De Rerum Narura, resolveram ir ler o artigo completo, os links lá postos, e perceber porque faço as afirmações que faço.
    Se não lêem, é difícil compreenderem...

    Daí que, mais uma vez, peço que antes de comentarem, tentem ler as coisas correctamente.

    Carlos Oliveira

    ResponderEliminar
  14. "Curiosamente, quando digo isso no meu artigo, ponho um link para a parte da "Física""

    "Mas lá está, vejo que só 9 pessoas que leram isto no De Rerum Narura, resolveram ir ler o artigo completo, os links lá postos, e perceber porque faço as afirmações que faço."

    Uma delas ate fui eu e mesmo assim nao percebi, principalmente porque as suas fontes sao omissas como o seu texto sobre esse ponto.

    http://intellectualbrouhaha.com/2010/06/yogi-prahlad-jani-biologists-may-be-dumbfounded-but-real-science-has-an-explanation/

    Encontrei no entanto algumas perolas entre as quais esta:

    "If Yogi Prahlad Jani is able to continue living without the aid of external food or drink, then he is a living violation of the third law of thermodynamics."

    Isto e uma palhacada e quem escreveu isto nao faz ideia do que e a terceira lei da termodinamica.

    Esteja a vontade para arranjar um sofisma para justificar este paragrafo. Como e inteligente, caso o pretenda, nao duvido que o consiga fazer sem pestanejar.

    Continuo sem perceber em que medida isto deita abaixo o principio de equivalencia, mas devo ser burro visto ate saber o que e a terceira lei da termodinamica.

    Muitos destes textos a desmascarar fraudes sao tao (ou mais) fraudulentos do que o que pretendem desmascarar. Ironia ao extremo...

    Ja agora, se e para fazer copy/paste que o facam com o markup e nao apenas com o texto. Os links podiam e deviam estar presentes nesta transcricao.

    ResponderEliminar
  15. Olás
    Para todas as grandes descobertas científicas humanas houve críticos igualmente grandes. No entanto, a verdade é a verdade e ela tem um modo de se tornar impossível de negar com tempo e evidências. Na ciência, que tenta estudar e compreender a realidade, isto é o dia a dia. Neste artigo infelizmente apenas vejo espirito crítico de um fundação de certezas garantidas e zero humildade. Eu não sei se é possível viver 70 anos sem alimento mas não concordo com críticas que não dão qualquer oportunidade a verdades diferentes do padrão imposto até então.
    Obviamente num assunto tão polémico como este a desinformação será a maior das fontes de informação. Daí que, a única prova que poderemos ter de um lado ou do outro é nós estarmos lá e ver. Como tal não é possível deixem a dúvida no ar que é onde a verdade pertence na ciência. Na verdadeira ciência.
    Artigos como este são tão desinformação como os que garantem a verdade do outro lado.
    De qualquer maneira, esta é apenas a minha opinião de um humilde perante a natureza maravilhosa.
    Com os melhores cumprimentos,
    Carlos Muralhas

    ResponderEliminar
  16. O dever da ciência é investigar tudo sem preconceito, submeter à prova. A ciência honesta deve verificar os fatos, os FATOS. Por amor ao bom senso, os fatos têm mais peso que a teoria.
    Não é científico considerar como verdadeiros somente os achados que se encaixam na teoria. Às vezes os fatos podem ser verdadeiros mesmo que fujam da teoria. É só cavocar no presente e no passado que existem ou existiram pessoas raríssimas que rasgam as leis da fisiologia humana. Não adianta o cientista dizer, "isso não pode existir porque eu não posso aceitar". O melhor é dizer "se fulano diz que sobrevive sem ingerir comida ou bebida, eu quero provas".

    ResponderEliminar
  17. Ah a verdade, quem saberá! Como você afirma por exemplo, que os vizinhos dele o chamam de fraudulento se você não os conhece, e como eu afirmo isso se não o conheço você? A verdade ninguém conhece...Nem a ciência

    ResponderEliminar
  18. Não é verdade que ele não era vigiado quando tomava banho, houve um documentário que mostrou seu confinamento, foi gravado. Contestar é normal, mas que seja de forma consistente. Argumentos como "ele é conhecido como charlatão" são piada. Quem disse ? Está gravado ? Provou ? Porque o medo do inexplicável ? Algo parecido ocorre com os OVNIs, quando os desmentidos chegam a afirmar que pilotos de aviação "confundiram o planeta Vênus". Brincadeira né ?

    ResponderEliminar
  19. Acho espantoso alguém apoiar acerrimamente casos deste tipo, acreditar que uma pessoa se pode alimentar do Sol e mesmo sendo-lhe apresentados factos que revelam da parte de quem diz realizar esses feitos poder estar a cometer uma fraude (refiro-me ao facto de não permitirem que se faça uma análise mais pormenorizada e que tenhamos de acreditar no que eles dizem), continuem a acreditar.
    A isso chama-se fanatismo, religiosidade.
    Delega-se os conhecimentos seculares da ciência para segundo plano... um centésimo, em prol de uma potencial fraude, com todos os ingredientes, apenas para manter uma fantasia/modo de encarar a vida para que esses alicerces que sustentam essas vidas 8desses crentes) não se desmorone e tenham de começar todo um processo (DIFÍCIL) de separa o trigo do joio.

    ACORDEM.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.